sábado, 6 de dezembro de 2008

Demita-se o Povo.

A maioria dos portugueses apoia a ministra da Educação e concorda com a avaliação dos professores, indica a sondagem Renascença/SIC/Expresso.

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Esperança


Será interessante ler o que escreverão os que hoje embandeiraram com a vitoria de Obama. Principalmente o pessoal do Bloco.
A seguir.


John McCain. Honra ao derrotado, mas quem foi o imbecil que consegiu impingir aquela senhora do Alasca como candidata a VP.

domingo, 26 de outubro de 2008

Resultados da eleição de Delegados ao Congresso e Presidente da Distrital em Guifões


Eleição de Delegados;
Votantes:32
Lista A :32

Eleição do Presidente da Federação;
Votantes: 32
Lista A - Renato Sampaio: 31
Lista B - Pedro Baptista: 00
Lista C - Eduardo Saraiva: 01

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Casamento entre cidadãos do mesmo sexo.


Se o assunto é tão urgente assim, qual a razão pela qual o Projecto de lei n.º 206/X, apresentado pelo grupo parlamentar do Bloco de Esquerda, que deu entrada no dia 1 de Fevereiro de 2006, esteve durante 2 anos e meio na gaveta. E porque razão o projecto do BE, não oficializa também a adopção por parte de casais homosexuais?

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

O Metro na Boavista, para servir quem?


Estou mesmo a ver os Austin Martin, os Mercedes e os Audi's a serem trocados e ficarem a repousar nas garagens porque os seus proprietários, residentes na Freguesia de Nevogilde, resolviam utilizar o Metro para se deslocarem para o trabalho. E a Sr.ª Dona de Coisa e Tal do Jet Set Invicto, sentada ao lado da Maria das Dores Doméstica a falarem sobre a demora na consulta do médico da caixa e do preço do peixe no Mercado de Matosinhos.
Estão a ver o filme?

3.8 milhões de razões para ter o Metro na Boavista

O vereador do PS da Câmara do Porto, Manuel Pizarro, pediu, ontem, num requerimento enviado ao ministro das Obras Públicas, Mário Lino, esclarecimentos sobre a transferência de 3,8 milhões de euros da Metro do Porto para a Câmara relativa a obras no troço final da Avenida da Boavista. O socialista quer saber por que razão a Metro está a pagar a intervenção naquela via quando o Governo ainda não aprovou a Linha da Boavista. Mediante a resposta, o socialista vai pedir uma investigação ao Tribunal de Contas ou à Inspecção-Geral das Finanças.

(...)"E é claro como a água que as intenções do governo foram puramente eleitoralistas e anti-PSD. Afinal, entre a linha do Campo Alegre, que passa por um hospital (Hospital Geral de Santo António), 6 estabelecimentos de ensino superior (Faculdade de Letras, Ciências e Arquitectura, mais ISAI e Universidade Católica), dois bairros populosos (Aleixo e Pasteleira), 2 locais turísticos (Cordoaria e Foz), uma zona verde (Jardins do Palácio de Cristal) e um equipamento cultural (Biblioteca Almeida Garrett), e a linha da Boavista, que passaria por três consulados (África do Sul, Reino Unido e Brasil), o estádio de um clube na falência (Bessa), duas escolas do ensino secundário (Clara de Resende e Garcia de Orta), um monumento (ao Empresário), um prédio do Souto de Moura, a Bolsa do Porto, a Pedro Arroja Consultores, a loja de Agatha Ruiz de la Prada, o Parque da Cidade, um museu (Serralves), os palacetes da Avenida Marechal Gomes da Costa e uma zona de prostituição, a diferença é praticamente nula."

sábado, 27 de setembro de 2008

Assembeia de Freguesia de 25.09.08

VOTO DE CONGRATULAÇÃO POR ACASIÃO DO 25 DE ABRIL

O PS propõe à Assembleia de Freguesia de Guifões o seguinte:



Voto de Saudação

Por força do exercício de funções de muito relevo cujo desempenho iniciou há cerca de um mês, a Dr.ª Ana Paula Neto viu-se forçada a apresentar a renúncia ao seu cargo de Secretária do Executivo da Junta que exercia desde 27 de Outubro de 2005.



Antes, e no anterior mandato (de 2002 a 2005), exerceu funções executivas com o cargo de Tesoureiro, isto após ter servido a freguesia em três sucessivos mandatos como eleita à Assembleia de Freguesia desde 1990.



A Assembleia de Freguesia de Guifões saúda o percurso de 18 anos de autarca, especialmente os últimos sete em funções executivas e o mandato em curso como Secretária do Executivo da Junta.



Não só a sua participação no actual executivo foi um motivo de orgulho para todos os que como ela iniciámos esta caminhada de 4 anos em prol da nossa terra, como as novas funções que está a desempenhar são motivo de enorme prestígio para Guifões.



Por isso a saudamos, no momento em que inicia uma nova etapa da sua vida profissional e expressamos votos de um bom e muito feliz desempenho nas suas actuais e prestigiantes funções.





Guifões, 25 de Setembro de 2008





Grupo Parlamentar do Partido Socialista.

domingo, 14 de setembro de 2008

Guifões - Nova Centralidade. Piscina e Pavilhão


Foi hoje a inaugurada, pelo Sr. Ministro da Presidência Pedro S. Pereira e pelo Sr. Presidente da CM de Matosinhos, dr. Guilherme Pinto, a Nova Centralidade de Guifões, com a abertura à população de um novo equipamento de desporto que inclui uma Piscina e um Pavilhão.


Peço desculpa pela qualidade da imagem e do som que não é a melhor.





quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Já são 120 mil os idosos com o complemento solidário aprovado

"Segurança Social. Em apenas um ano o subsídio que apoia os idosos mais carenciados mais que duplicou as aprovações. Existem 60 mil a receber o complemento, mas no espaço de dois meses serão 120 mil , pois esse é o total de aprovações. Abertura aos sábados e mudança legal explicam o fenómeno"

IN: DN

sábado, 23 de agosto de 2008

"Veto do Presidente subverte conteúdo da lei"

"O veto presidencial utiliza várias vezes a expressão "pedido de divórcio unilateral", que, diz Torres, "é completamente errónea". A lei só prevê quatro situações em que um cônjuge pode pedir o divórcio sem consentimento do outro", explica. "Insanidade mental, ausência em parte incerta por período mínimo de um ano, separação de facto durante um ano (até agora era necessário provar a separação por três anospara obter o divórcio), e ruptura manifesta da vida conjugal". Mas, alerta a socióloga, não há decisão unilateral porque "tem de ser um juiz a decidir /avaliar se há razões válidas para a ruptura manifesta".

Além disso, prossegue, o veto "demonstra uma ignorância total do Direito de família e do regime de comunhão de adquiridos, assim como quanto ao regime de créditos criado para os encargos da vida familiar, ao pôr a hipótese de um cônjuge que contribuiu mais, do ponto de vista financeiro, para a vida em comum, possa exigir ao cônjuge que contribuiu menos que o compense por isso no divórcio". O regime de comunhão de adquiridos consagrado no diploma, certifica a especialista,considera o "bolo" criado durante o casamento como sendo metade de cada um dos cônjuges, independentemente que quem pagou mais coisas. Os créditos criados pela lei só dizem respeito ao contributo não financeiro - criar filhos, trabalho doméstico, etc. "É pela primeira vez a dignificação do trabalho no lar", diz Anália Torres, que conclui: "A generalidade dos países da Europa consagrou regimes semelhantes há décadas. Este veto faz-nos sentir como que isolados no mundo, está imbuído de uma visão antiga do casamento, com mais de 40 anos". Também Guilherme Oliveira já reputou, em declarações ao Público, a fundamentação do veto de "ridícula". |"

DN

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

Mensagem ao País.


Cavaco, disse que falou "porque estava em causa um precedente muito grave no equilíbrio de poderes entre os orgãos de soberania".
Ok. Tudo bem.
Mas por onde andava a sua preocupação com o tal "equilíbrio de poderes" quando o casal Silva se comportou da forma que nos envergonhou a nós "cubanos" na última viagem à Madeira!

segunda-feira, 14 de julho de 2008

OPS. Eles andam por ai.

A ops! é uma revista da iniciativa da Corrente de Opinião Socialista e de livre acesso ao público. A missão da ops! é a de promover a informação, o debate aberto e a proposta de políticas socialistas e de esquerda, no quadro nacional, internacional e dos desafios das sociedades globais.

quinta-feira, 26 de junho de 2008

Assembleia de Freguesia de Guifões de 26/06/08

MOÇÃO
Contra a cobrança de Taxas / Tarifas de Disponibilidade
para os serviços públicos essenciais


A lei 12/2008, que entrou em vigor a 26 de Maio de 2008, criou mecanismos para proteger os consumidores de serviços públicos essenciais. O seu Artigo 8º, nos números 2 e 3, dizem o seguinte:
(...)
2 — É proibida a cobrança aos utentes de:
a) Qualquer importância a título de preço, aluguer, amortização ou inspecção periódica de contadores ou outros instrumentos de medição dos serviços utilizados;
b) Qualquer outra taxa de efeito equivalente à utilização das medidas referidas na alínea anterior, independentemente da designação utilizada;
c) Qualquer taxa que não tenha uma correspondência directa com um encargo em que a entidade prestadora do serviço efectivamente incorra, com excepção da contribuição para o audiovisual;
d) Qualquer outra taxa não subsumível às alíneas anteriores que seja contrapartida de alteração das condições de prestação do serviço ou dos equipamentos utilizados para esse fim, excepto quando expressamente solicitada pelo consumidor.
3 — Não constituem consumos mínimos, para efeitos do presente artigo, as taxas e tarifas devidas pela construção, conservação e manutenção dos sistemas públicos de água, de saneamento e resíduos sólidos, nos termos do regime legal aplicável.


Considerando que:
1.A disponibilidade do serviço é obrigação das empresas que o prestam, pois quando se faz um contrato da água, luz ou gás, a empresa não se obriga a servir o cliente apenas num determinado horário, mas sim 24 horas por dia.
2.O Sr. Secretário de Estado do Consumidor, Fernando Serrasqueiro, afirmou que essas Taxas/Tarifas de Disponibilidade "se forem para compensar a perda do aluguer do contador, é ilegal, se for para outro fim, tem de ser justificado".
3.O autor da Lei 12/2008, o deputado socialista Renato Sampaio, confirma que a Taxa/Tarifa de Disponibilidade "não faz qualquer sentido".


O Grupo Parlamentar do Partido Socialista, propõem que esta Assembleia de Freguesia na sua reunião ordinária de 26 de Junho de 2008 aprove o seguinte:

1.Um voto de condenação pela cobrança dessas Taxas / Tarifas de Disponibilidade por parte dos fornecedores de serviços públicos essenciais de Luz, Gás, Água e Saneamento.
2.A cobrança da tarifa de disponibilidade constante das facturas dos serviços públicos estando a violar o quadro legislativo em vigor, devem as Empresas que exploram esses serviços no Concelho de Matosinhos, cessar a sua cobrança e consequentemente os consumidores terão de ver a sua factura mensal em conformidade com a Lei 12/2008.
3.Apelar a todos os Guifonenses, consumidores destes bens e serviços públicos essenciais, a reclamarem nos livros de reclamações ou centros de arbitragem contra esta taxa /tarifa.
4.Dar conhecimento desta Moção às seguintes entidades:
Secretaria de Estado do Consumidor
Câmara Municipal de Matosinhos,
CIAC – Centro de Informação Autárquico ao Consumidor de Matosinhos
Grupos Parlamentares da Assembleia Municipal de Matosinhos
Sr. Deputado do PS – Renato Sampaio, autor da Lei 12/2008

Pelo Grupo Parlamentar do Partido Socialista

O 1º Subscritor

Carlos Alberto Ferreira
Partido Socialista

sexta-feira, 30 de maio de 2008

PCP. Continuam iguais a eles próprios.

Diz-me com quem andas, dir-te-ei quem és.

O PCP, assinala e lamenta a morte de um assassino e narcotraficante.


"Confirmada a morte de Marulanda Um duro golpe nas FARC
O comandante das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, Manuel Marulanda, morreu de ataque de coração no passado dia 26 de Março. Alfonso Cano assume a liderança da organização.
"

Um partido, que se afirma democrático, estaria no lado da barricada daqueles que por todo o mundo clamam pela libertação de Ingrid Betancourt.

Afinal o que podemos esperar de quem esteve ao lado dos que esmagaram as revoltas populares na Hungria, Checoslováquia, Polónia e ao lado de um grupo de bêbados que em 19 Agosto de 1991, ainda tentou salvar a ditadura soviética.


domingo, 25 de maio de 2008

SUCT's - Resposta ao amigo Leixão.

Caro Leixão, aqui vai a MINHA OPINIÃO sobre o assunto.

A criação das SCUTS, com o modelo de financiamento que tem associado, foi um erro cujas consequências são hoje visíveis para as finanças públicas, e serão dramáticas num futuro próximo.

As SCUTS que deveriam ser vistas como uma forma de discriminação positiva, transformaram-se num elefante branco a pagar em vários anos.

Os previstos benefícios que vinham trazer às economias locais e regionais a meu ver não se concretizaram. Porquê? porque à boa maneira portuguesa, a diminuição dos custos dos transportes, nomeadamente poupanças nos tempos de deslocação e nos combustíveis, foram absorvidos pelos agentes económicos e não reflectiram no preço dos produtos no consumidor, os ganhos realizados..

Não é admissível que aqueles que não têm carro, ou sequer um Km de auto-estrada, estejam a pagar as SCUT. Sou, portanto, a favor das portagens em (quase) TODAS.

Assim, se fosse eu a decidir, e ainda bem que não,face às expectativas criadas nos concelhos por onde as SCUT's passam, acho que deveriam ser implementadas as seguintes medidas:

1º - Portajar já e imediatamente todas as SCUT's, aos Sábados, Domingos e Feriados.

2º - Quando, finalmente, decidirem pela cobrança de portagens, deverá haver um período de carência, para os residentes nos 137 concelhos servidos pelas 7 SCUT's, até 2011, através de uma discriminação positiva, que nessa data deveria ser reavaliada. Essa descriminação deve traduzir-se em créditos de Kms, a utilizar diariamente pelos condutores residentes nos Concelhos atravessados pelas SCUT's. Penso que um crédito de 40Kms dia, a utilizar para a ida e volta, serão suficientes.

3º - Investimento na requalificação e melhoramento das N13, N109, N125, etc.

4º - Que uma percentagem dos valores pagos nessas portagens sejam entregues às Juntas de Freguesia dos Concelhos por onde essas vias passam, para investimento em projectos sociais e de luta contra a pobreza.

Qual a razão pela qual a A7 e A11, perpendiculares à A28 são portajadas, e a A41 não.? Será que os índices de desenvolvimento dos concelhos atravessados pela A7 de Vila do Conde até Vila Pouca de Aguiar, são dos maiores do País? E os concelhos de Esposende até Braga, atravessados pela A11? O que os diferencia dos concelhos atravessados pela A41?

Colocação das portagens:
A28 - do Mindelo até Viana do Castelo.
A29 - de Espinho até Estarreja.
A44 - gratuito em todo o trajecto.
A41 - A partir de Ermesinde.

Agora você não paga portagem pela utilização dessas vias. Mas indirectamente já as paga através do OE e da dívida pública.No modelo Scut, é o dinheiro dos contribuintes, através dos impostos, que suporta o custo de construção, manutenção, exploração e financiamento.

Entre 2008 e 2023, o valor médio dos encargos anuais deverá atingir os 700 milhões de euros, ou seja caro amigo, não houvesse este custo no OE e seria possível, por exemplo ter hoje o IVA a 18,5%.

Não se tratando de um bem como a saúde ou a educação não aceito que os que não utilizem essas SCUT's estejam a financiá-las na sua totalidade.

Dei-lhe caro amigo, a minha honesta opinião sobre o assunto SCUT's.
Como vê, pelos tempos que correm não é muito politicamente correcta. Mas a minha maneira de estar na vida sempre foi essa. Pensar pela cabeça e mandar ás malvas o politicamente correcto.

Aceite o meu concelho e leia este estudo realizado em 23.12.2004 - AQUI

sábado, 24 de maio de 2008

SCUTS

O que foi, até à bem pouco tempo, o sempre eterno candidato derrotado da CDU à CM Matosinhos, lidera uma Comissão de Utentes Contra as Portagens. What's new?

segunda-feira, 21 de abril de 2008

Entrevista Jornal Matosinhos de 18 de Abril de 2008

É urgente o diálogo entre potenciais candidatos à Câmara

Tomada de posse da Secção PS de Guifões

Sigerido encontro entre Narciso Miranda e Guilherme Pinto

Encabeçada por Carlos Alberto Ferreira, tomou posse, na passada sexta-feira, a lista vencedora da Secção do PS de Guifões. Preparar as eleições de 2009 é o principal objectivo: "O ano de 2009 vai ser muito importante. Vão juntar-se três actos eleitorais, logo as acções da Secção de Guifões serão viradas para a actividade política", revelou o novo secretário-coordenador dos socialistas guifonenses, não esquecendo o candidato da Secção PS de Guifões, para a Junta de Freguesia, o actual edil local Carmim Cabo.
Carlos Alberto Ferreira, sucessor de João Santos à frente da Secção guifonense, referiu, ao JM, que a actividade política em Guifões será pautada pelo "contacto diário e directo com as pessoas. Vamos iniciar um porta à porta. A maior parte do executivo da Junta e da Assembleia de Freguesia é socialista, logo estaremos ao lado de Carmim Cabo, dando-lhe apoio e carta-branca para que escolha a sua equipa".
Questionado sobre o actual momento de divisão que o PS Concelhio está a viver, o secretário-coordenador de Guifões disponibilizou-se para organizar um encontro entre Narciso Miranda, antigo presidente da Câmara e o actual presidente, Guilherme Pinto: "Eles têm de encontrar um tempo para falar. Este clima de guerrilha só está a prejudicar o PS de Matosinhos. Era bom que os protagonistas se sentassem e conversassem".
Carlos Alberto Ferreira considerou ainda que "Narciso Miranda tem de perceber que é natural que quem é convidado a presidir uma Câmara, tenha a ambição de cumprir mais do que um mandato", acrescentando que "Guilherme Pinto também deve recordar-se que o antigo presidente pode sentir-se magoado por acontecimentos do passado".
Para o socialista de Guifões, a actual "divisão" existente no PS Concelhio é "má" para o Concelho, temendo até que, nas autárquicas de 2009, "a Câmara se perca para a Oposição. É bom que as pessoas tenham noção que, hoje em dia, basta que apareça alguém com nome, um qualquer comentador importante, para que as pessoas votem em outro Partido. Por isso defendo que o PS de Matosinhos encontre uma plataforma de entendimento".
Por fim, Carlos Alberto Ferreira adiantou qual seria, no seu entender, a melhor forma de encontrar o candidato socialista para a autarquia: "No final deste ano ou início do próximo, a Concelhia, ou seja, Guilherme Pinto, deve ter a coragem de reunir os militantes socialistas e perguntar-lhes quem querem como candidato. E quem quiser candidatar-se, deve dar a cara, e não colocar-se em segundo plano ou esconder-se atrás de chavões como ‘reserva moral'. Eu próprio me considero um dos socialistas da ‘reserva moral', embora não pertença ao movimento que existe neste momento no Concelho".
À pergunta: qual é o seu candidato?, Carlos Alberto Ferreira revelou que apoia Guilherme Pinto - "tem feito um bom trabalho, embora precise de melhorar em alguns aspectos" -, mas vincou que fará campanha tanto pelo actual presidente da Câmara, como pelo antigo, dependendo de qual for o candidato apoiado pelo PS: "Eu apoio um projecto, o Partido Socialista, e não as pessoas", concluiu o novo líder da Secção socialista de Guifões, prometendo "trabalho árduo".

Secção do PS de Guifões

Assembleia geral: João Santos; Paulo Silva; e Fátima Portilha
Suplentes: Augusto Bastos; e José Maria Carvalho
Secretariado: Carlos Alberto Ferreira; Joaquim Cabral; Aurora Gomes; Rui Correia; e Andreia Teixeira
Suplentes: José Manuel Ribeiro; Patrícia Carvalho; José Ribeiro Pereira; João Soares; e Carmim Alves do Cabo

quinta-feira, 10 de abril de 2008

sábado, 5 de abril de 2008

RESULTADOS ELEIÇÕES



Secção Residencial de Guifões:
Lista A - 35 votos

Comissão Politica Concelhia:
Lista A - 29 votos
Lista B - 10 votos


Percentagens no concelho:

Lista A - 75%
Lista B - 25%

sábado, 22 de março de 2008

Carta aberta aos socialistas de Guifões

Caros(as) Camaradas e Amigos(as):

Encontramo-nos num momento crucial da vida do nosso Partido: A nível nacional, com a responsabilidade da governação socialista, que tem sido de rigor e responsabilidade - e “áspera”, no dizer do camarada José Sócrates, Primeiro-Ministro - portanto nada fácil para muitos portugueses, obviamente também para muitos socialistas; Localmente, ao aproximarem-se os actos eleitorais com vista às estruturas partidárias das Secções de Residência e da Comissão Política Concelhia, com a natural “agitação” que estes momentos propiciam, nem sempre bem interpretados e muitas vezes vividos para além do razoável numa disputa democrática, mas com resultados sempre clarificadores quanto ao sentido da vontade do “povo socialista”.

No dia 5 de Abril vamos ser chamados a um acto de enorme responsabilidade. Vamos escolher os (as) camaradas que, na concelhia e nas secções, vão ter nas suas mãos importantes decisões para o nosso futuro colectivo. A Comissão Política Concelhia tem a primeira palavra na escolha dos candidatos à Câmara Municipal, nomeadamente o cabeça de lista e que todos queremos seja o próximo Presidente; o Secretariado local tem, também, a incumbência da indicação dos autarcas de freguesia, concretamente a escolha do líder da respectiva candidatura.

No primeiro caso (a concelhia) os socialistas de Guifões devem fazer uma aposta clara na candidatura de Guilherme Pinto. Mais do que o apoio merecido - e devido - a um excelente Presidente de Câmara e à óptima equipa que dirige, é necessário dizer basta às derivas divergentes, sustentadas pelos que relevam para segundo plano os interesses do Partido e se propõem a promover quem publicamente se declara contra ele. No que respeita a Guifões, impõe-se um apoio massivo na lista encabeçada pelo camarada Carlos Alberto, à frente de uma equipa jovem e dinâmica, representando diversas gerações e sensibilidades de socialistas guifonenses, e que se propõe dar continuidade à actual gestão autárquica, concelhia e de freguesia.

Em Matosinhos como Guifões, os militantes têm uma pesada responsabilidade. A herança do Partido Socialista, de mais de 30 anos, é de vitórias e conquistas. Não podemos dispersar-nos em jogos de vaidades e interesses pessoais ou de grupo. É a hora de cerrar fileiras contra os nossos adversários, e estes não estão no nosso Partido!

Breve nota final: Afazeres de natureza institucional “desaconselham-me” o desempenho de funções partidárias de maior responsabilidade. Mas o meu apoio à candidatura do camarada Carlos Alberto é total e incondicional. Por a isso integro, com toda a honra, encerrando a respectiva lista.

Guifões, Março de 2008

Carmim A. Cabo

(Militante nº. 7997)

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

Há um ano Portugal disse SIM!

ASAE: 50 toneladas carne estragada em entreposto de Albufeira

Lá andam estes tipos da ASAE, a dar cabo do negócio "tradicional"dos chico-espertos.
Para os que andaram a comparar a ASAE a uma nova PIDE, sugiro para a ementa do jantar um cozido à moda de Albufeira.

quarta-feira, 30 de janeiro de 2008

Como se desfaz um ministro

Primeiro monta-se uma metódica campanha de assassinato político, com a prestimosa colaboração das televisões-tablóide. Depois passa-se a mensagem de que "o ministro é insustentável"...

Vital Moreira em CAUSA NOSSA

segunda-feira, 28 de janeiro de 2008

Defender a ASAE

Contra muitas das asneiras que se escrevem sobre a ASAE, recomendo a leitura do excelente post de Luís Grave Rodrigues no seu Blog Random Precision, em defesa deste orgão fiscalizador do Estado de Direito.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

A Santa Aliança - segundo Rui Namorado

"(...) Por isso, quando Jerónimo de Sousa compareceu e discursou numa manifestação liderada por um autarca do PSD, era o PCP que estava a aderir a uma manifestação organizada sob a égide do PSD, ainda que formalmente não fosse uma manifestação partidária. Mas esta circunstância, podendo até parecer trivial, está longe de o ser numa perspectiva política global. E seguramente ela tem como característica tornar ostensivo o que talvez seja uma lenta evolução política do PCP e do PSD.

Uma evolução pouco compreensível, uma vez que ambos parecem ter enveredado por uma reconversão estratégica, por razões meramente tácticas, o que é sempre uma aventura de consequências imprevisíveis.

No entanto, pelas figuras envolvidas e pelas circunstâncias do evento, aliás, selado por um abraço caloroso do Presidente ao Deputado, a questão tem maior relevância quanto ao PCP.

Será que o PCP está disponível para formar governo com o PSD no caso de o PS não repetir a maioria absoluta e a direita não ter maioria relativa? Se está, acha que o PSD formaria um governo com o PCP nessas circunstâncias? Se não está, qual o alcance político que tem o reforço de um iniciativa de um autarca do PSD com a sua presença e participação?

Aliar-se à direita para combater este governo, reforça ou enfraquece quem dentro do PS admita uma coligação à esquerda (ou um acordo parlamentar), no caso de o PS não ter maioria absoluta e a direita no seu todo ser minoritária?

O mais preocupante é que este episódio pode indiciar que, no fundo no fundo, o PCP não deixou ainda de ver no PS o inimigo principal que gostaria de riscar do mapa se pudesse. Uma espécie de nostalgia do PRD, ou, mais remotamente, a sombra do velho princípio táctico do Partido Comunista Alemão dos anos trinta, em pleno estalinismo: “Enterrar o nazismo sobre o cadáver da social-democracia”. Sabemos o desenlace: o nazismo enterrou os comunistas e os sociais-democratas.
"

IN: http://ograndezoo.blogspot.com

Nada que eu não ache que esteja a acontecer desde há alguns anos para cá. Mais precisamente desde que o "camarada" Jerónimo tomou conta das chaves da Soeiro Pereira Gomes